Avançar para o conteúdo principal

É aqui que eu moro...

Há memórias que se entranham em nós, qual tatuagem permanente.
Basta fechar os olhos e recordo o teu sorriso (metálico), as tuas gargalhas, as tuas conversas parvas.
Nunca sabemos quais são os momentos que um dia serão mais fáceis de recordar.
Nem preciso de me esforçar para que me venham à lembrança os episódios mais ridículos que vivemos.
Alguns até nem são bem meus, são teus e de outros, mas fui espectadora assídua e atenta de todos eles.
Por muito banal que possa soar, nunca, jamais em tempo algum, esquecerei quem foste. Quem és. Quem me fizeste ser. Nunca esquecerei os momentos fora-do-comum que vivemos. Nunca esquecerei as tardes mais aborrecidas. Nunca esquecerei nada disso porque foi algo que te pertenceu, que nos pertenceu.
Se soubesse que uma tão distante noite de quinta-feira iria ser a última vez que te via. Se soubesse. Possivelmente foi melhor nem saber. Mas se soubesse. Há coisas que são impossíveis de evitar. Mas há outras que seriam tão fáceis. A tua partida era completamente evitável. E é isso que dói. Não foi o destino. Não foi doença. Não foi acidente. Não foi culpa de outrem. Foi a tua decisão. É por isso que dói.
Agora olho em volta e todos os espaços que eram teus, continuam exactamente iguais. Apenas mais silenciosos. Eras riso. Eras alegria. Eras a personificação perfeita do que é a vida. Não eras perfeito. Ninguém o é. Mas eras um bocadinho de todos nós. E roubaste-nos esse bocadinho, deixaste-nos a viver na lembrança, na tristeza, na revolta... na SAUDADE!


Hoje em dia é aqui que vivo. Porque as nossas vidas têm de continuar. Precisam de continuar.
Mas tu jamais serás esquecido! Para sempre, L*





Nota Verídica:
Apesar de utilizar esta rua enquanto metáfora do sentimento, a Rua da Saudade existe mesmo, em Lisboa, perto da Sé,  com óptima vista para o Tejo, plena de história e recordações, ali nasceu e morreu o poeta José Carlos Ary dos Santos.
*Rita* 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A tua irmã*

Ontem estive a escrever a fita de finalista da tua irmã. Com muito orgulho e satisfação. E tu estás presente, de uma forma discreta, que só ela entenderá. Mas estás lá. Sei que deves estar orgulhoso e que vais estar presente. Toma conta dela, protege-a, fá-la feliz. Se há alguém que merece, é ela. Perdeu-te a ti e logo de seguida o vosso Pai. Em menos de 6 meses, perdeu metade da família. Não é justo e ela merece mais. Tudo. Quero tanto vê-la feliz.



Parabéns Srª Engenheira!
*ORGULHO*


PS: Estou aqui para Ela. Estou mesmo, Luís. Por muito que me custe estar com ela nos lugares em que estivemos todos juntos, um dia (muitos dias). Por muito que ao olhar para ela, te veja a ti. Que magoe. Porque a saudade dói*

Dos rumores

Sábado. Vou jantar fora com o meu irmão, cunhada e mais uns casais amigos. O S., um dos meus amigos recentemente solteiro também foi. O jantar decorreu das 20:30h às 23h. Às 23:30h recebo uma mensagem do João a perguntar se ando metida com esse amigo nosso. Fico completamente à nora com a conversa. Recebo sms do meu ex-namorado a perguntar o mesmo. Pergunto ao S. se ele já tinha ouvido algum rumor. Diz que sim mas que por ele é tranquilo. E começa cheio de insinuações e conversas parvas. Só meu dou com atrasados e estou tão farta disto!
O João liga-me e chama-me de dançarina. Não compreendo a conversa e eis que me diz "ontem andaste a dançar com o teu novo namorado. Já fiquei para trás?".
ANORMAL!

Parabéns meu puto!

Mais um ano puto. 23 aninhos de uma vida que devia ter continuado. Cada vez mais me custa recordar a tua voz. Engraçado que sempre que fazes anos, o facebook enche-se de fotos e de conversas a recordar-te. E sabes o que me entristece? Saber que um dia vais voltar a fazer anos mas não há nenhuma história nova para contar.
Tenho tantas saudades tuas Luís! Do teu riso, do teu sorriso metálico, dos teus disparates. Onde quer que estejas, que a tua alma não se perca. Tu continuas a trazer o melhor de cada um de nós e isso é inesquecível e impagável.
PARABÉNS PUTO!!