Mensagens

A mostrar mensagens de Maio, 2016

28 anos e uma força inabalável!

Imagem
Confesso que este primeiro semestre de 2016 não tem sido nada fácil. Tenho dias que só me apetece desaparecer e arranjar uma vida nova! Mas depressa volto a vestir a capa e penso nas pessoas que precisam de mim. Ajudo muitas pessoas, mesmo as que não são da minha família. Faço por elas e faço por mim. Devolve-me a alma e sinto-me bem.
Mas este ano tem sido parco em momentos felizes. Arrisco mesmo a dizer que apenas o nascimento da minha sobrinha me faz sorrir e agradecer. Fases más não passam disso mesmo, de fases!

28 anos e uma força inabalável!

Meu puto#12

Imagem
Fizeste anos e eu nem escrevi aqui nada para ti. Mas não me esqueci, puto, de que farias 24 anos se ainda fosses vivo. Há quase 7 anos que morreste e está tudo tão diferente!
Hoje precisava de ouvir uma das tuas anedotas. Daquelas parvas e secas, sem graça nenhuma para depois rir-me da tua cara de parvo a rir que nem um perdido.
Um dia ainda me vais explicar porque foi que partiste...

E agora?

Imagem
E hoje, sem ter ainda regressado a casa, pergunto-me como será não vos ter lá à minha espera. Sem os vossos latidos de felicidade, sem lambidelas, sem corridas, sem banhos na ribeira. Pergunto-me porque dói tanto ficar sem vocês e se sentem a minha falta. 
Bejeca, acredito que tenhas esperado pelo dono para te despedires. Queria ter estado também contigo mas sei agora que tiveste uma morte sofredora. E que o meu pai assistiu e esteve contigo até ao fim.
Não sei agora como lidar com uma vida sem vocês. Com uma casa e todo um terreno em que não vos vejo a saltitar e a correr desenfreadamente, fizesse chuva ou sol. As vossas sestas à lareira quando o frio apertava. A vossa cara de felicidade quando deixava que bebessem água do bidé (shiuu, a Mãe não pode saber). Quando se sentavam à espera de um petisquinho enquanto comíamos. Dos saltos do Campeão para o meu colo e da Bejeca a encostar a cabeça na parte de trás dos meus joelhos, a pedir mimos.
Não sei como me vou sentir. Aliás, sei que …

Descansa em paz Princesa

Imagem
Ontem quando escrevi o meu post foi o momento em que decidiste partir. Recebi o telefonema do meu irmão a dizer-me que tinhas morrido. Por muito que estejamos a tentar preparar-nos, nunca estamos realmente mentalizados. Perdi-te e dói tanto não ter tido a oportunidade de me despedir. Embora tenhamos falado naquela 4ª Feira. 
Foste dar a voltinha com o dono e no regresso deitaste-te. Não mais te levantaste. Mas penso que partiste feliz. Cansada mas feliz porque gostavas tanto da voltinha pela horta.
Vou sentir tanto a tua falta! Mais uma vez poupaste-me a preocupações. Mas sinto-me triste e vazia. Perder-te tão depressa não estava nos meus planos.
Descansa em paz Princesa!

Um acto de misericórdia também é amor, não é?

Imagem
Não estás melhor. Tentei segurar a tua vida o melhor possível, tentei que melhorasses, tentei aliviar essa dor que deves sentir apesar de não ouvirmos um único ganido. Estás triste e é isso que consegues transmitir. Estás triste e enfraquecida e eu não sei o que fazer. Não quero que sofras, já sofreste demasiado ao longo da vida.  Queria que ficasses comigo mais uns tempos. Queria mesmo ter-te comigo porque sou egoísta e acho que vai ser horrível perder-te menos de um ano após o Campeão ter partido. Mas acho que estamos a atingir o ponto do não-retorno. Quase não comes e já andas combalida. Queria segurar-te comigo e dizer que vais ficar bem mas eu própria já não acredito nisso. Vou esperar o meu regresso a casa e vamos ter de falar no que é melhor para ti. Vais ver-me chorar e eu sei que detestas isso. Ficas incomodada mas desta vez não vou conseguir evitar. Vou ter de te contar como está a ser difícil decidir o que fazer. Como se leva a tua cadela ao veterinário para que este lhe t…

Actualizações da minha vida

Imagem
Na 4ª Feira meti um dia de férias para ir à consulta de Neurologia com o meu Avô. Ver se o alzheimer evoluiu muito e se havia possibilidade de ajustar a medicamentação. A médica dele concordou comigo que os estímulos são cruciais nesta fase, que devo continuar a lidar com ele porque é a forma certa. Sem ser demasiado permissiva e impondo regras e vontades. Confesso que precisava de ouvir isso pois por vezes noto que as pessoas do CC não entendem bem a forma como lido com o meu Avô. Noto que a enfermeira e a fisioterapeuta que o acompanham são muito "verdinhas" ainda e na tentativa de tratá-lo bem (o que eu agradeço de coração), tornam-se pouco firme e demasiado condescendentes quando ele não quer colaborar. Assim pedi à médica que colocasse esse género de sugestões no relatório que eu tinha de entregar nos CC. Espero que surta efeito...

Em relação à minha cadela, na 4ª aproveitei e fui passar a manhã com ela. Ver como estava, mimá-la mesmo sem saber que decisão devia tomar.…

O que faço?????

Ontem levei a minha cadela ao veterinário. Após ter aparecido o quisto na barriga, apareceu um outro na pata e agora um na boca. Tem a cara toda inchada e não consegue comer. A veterinária disse-me logo que é um tumor, fez análises e deu-lhe uma injeção intramuscular para tentar que o tumor desinche pois também está infectado (deve ter ferido a tentar comer).O que me disse é que íamos tentar diminuir o inchaço da boca para que ela consiga comer, que podíamos tentar limpar o mais possível a boca mas desaconselhou (novamente) qualquer intervenção em que necessitasse de anestesia pois não sabemos se há mais tumores e não quer correr o risco dela morrer pela anestesia. Disse-me que até amanhã a injeção já faria efeito, caso houvesse possibilidade de haver algum efeito e que, caso o inchaço não diminuísse, teríamos de pensar seriamente nas opções. As opções. A opção. Não estou preparada para em menos de um ano de ter perdido o meu Campeão, perdê-la a ela também, muito menos mandá-la abate…

O meu Avô tem alzheimer#3

Imagem
Na 6ª e Sábado o Avô estava lúcido. Reconheceu-me, estivemos a conversar, expliquei-lhe pela enésima vez o que lhe estava a acontecer, expliquei-lhe que partiu a perna e estava na fisioterapia. Percebeu tudo e pareceu-me motivado. Rimos, vimos televisão, lanchámos juntos.
No Domingo quando cheguei pareceu-me bem. Risonho, bem-humorado, a contar piadas. Até que lhe perguntaram se ele sabia quem eu era e ele disse que achava que eu era a fisioterapeuta, que ia lá frequentemente. Que não me conhecia mas que gostava muito de mim porque tratava bem dele e nunca lhe ralhava.  Fiz-me de forte e perguntei se ele queria fazer um bocado de ginástica às pernas. Disse que sim e lá começamos nós a esticar e encolher as pernas. A rodar os pés. Depois quando vi que já estava cansado, perguntei se queria ir ao hall de entrada para bebermos um descafeinado. Ficou todo feliz porque nunca mais tinha bebido e estivemos a conversar, como dois novos bons amigos.

Larguei-me a chorar quando saí de lá. Custa…

Aconteça o que acontecer estou grata

Tenho de me sentir agradecida. Sinto-me agradecida pela vida que tenho, muito sinceramente. Sou uma pessoa feliz, que aproveita os momentos bons quando eles aparecem. Mesmo que escassos. Tirei o meu curso, trabalho a fazer o que gosto (apesar de não me sentir realizada onde estou de momento), tenho uma família que não é perfeita mas que é a minha e está lá para tudo. Tenho momentos tensos na minha vida (quem não os tem?) que me fazem questionar algumas coisas mas que penso que tenho conseguido ultrapassar. De momento ando numa fase menos boa com todos os problemas com o meu Avô (e com a merda de filho que ele - conto esta história um dia em que me apeteça falar do monte-de-esterco da pessoa que lhe saiu na rifa) e com o sentir-me pouco realizada no trabalho onde estou. Tenho procurado outras oportunidades, mesmo tendo renovado o contrato onde estou. Sinto-me agradecida por ter um trabalho, por ganhar bem, por poder pagar as minhas contas e isso tudo mas obrigatoriamente tenho de me c…

Do sentirmo-nos impotentes...

Imagem
Este fim-de-semana o Avô não esteve lúcido. Não me conheceu, não quis falar comigo porque não me conhecia de lado nenhum. Só me apeteceu chorar mas fiquei com ele as horas de visita. Fiz-lhe companhia, fui falando de futilidades e fizemos um bocadinho de "ginástica" às pernas. Mas não pude "ver" o meu Avô. Não o tive comigo e isso dói!