quinta-feira, 29 de março de 2012

Sonho meu...

Sabem aqueles sonhos que temos que parecem mesmo realidade? Aqueles em que pensamos "Ena pah, a minha vida assim é mesmo perfeita!". Esta noite tive um sonho desses. Contigo, Luís. Foi tão real! Consegui ouvir a tua voz novamente. Já não me conseguia lembrar dela assim, como se estivesses aqui. Ainda me lembro de algumas entoações, de algumas expressões tão tuas e, se fizer um esforço mesmo grande, consigo ouvir-te. Mas esta noite não precisei de me esforçar. Rias. Brincavas. Deste-me um abraço, como se voltasses de uma viagem prolongada. E foi um reencontro tão bom! Eu sei que parece tolice. Um sonho é apenas isso, um sonho. Mas parecia tão real, Luís. Eu quis tanto que fosse verdade. Rezei baixinho para que fosse verdade. Há noites em que tenho pesadelos e peço por tudo para acordar. Mas esta noite não foi assim. Quis agarrar-te com todas as forças e trazer-te comigo. Fazes-me falta. Fazes-nos falta. Levaste contigo tantas partes de cada um de nós. E as lembranças por vezes adormecem.

Uma vez conheci uma menina que tinha perdido a mãe e ela dizia que o maior medo que tinha era esquecer-se. Eu na altura não conseguia entender como se pode esquecer. Agora entendo. Claro que ela nunca se esquecerá da mãe. Cuidará da memória dela para sempre. Mas vai perdendo aquelas pequenas particularidades que tornam a mãe única. E é disso que tenho medo, Luís. Sei que nunca esquecerei o sorriso. A cara. A tua maneira de ser. Mas tenho medo de esquecer a voz, o cheiro, as expressões que fazias. Queria que o sonho fosse mais do que um sonho. Ou talvez que o que é real, se tornasse o sonho. Nunca devias de ter morrido. Esse devia ser o meu pesadelo[e é]. Devia ser algo pontual. Devia acabar, mal eu acordasse. E quando eu chegasse à terrinha e fosse a qualquer lado, lá estavas tu. A ser precisamente o que só tu sabias ser, TU! Devias ter ido para a faculdade. Devias ter podido jogar mais à bola. Devias ter conseguido ter mais namoradas. Devias ter podido despedir-te do teu pai. Devias ter consolado a tua irmã. Devias ter sido feliz. Se tivesses conseguido ser feliz, estarias aqui agora. E é isso que dói. Saber que podia ter sido diferente mas que foi precisamente como foi. Estou farta de ter saudades, sabes? Quem inventou a saudade, devia ter estado sossegadinho no seu canto. Porque isto custa e não há dia que passe em que eu não fale contigo  [estarei a ficar maluca de vez?].

O sonho devia ter continuado. E se não fossem os estúpidos dos meus vizinhos de baixo a acordarem-me às 5.40h da manhã, eu tinha sonhado quase mais 2 horas. E teriam sido poucas, na mesma. Hoje podes aparecer novamente? Sim? Por favor? É que queria tanto puxar-te as orelhas e dar-te mais um abraço. Vá, não te puxo as orelhas. Mas vou ralhar. Vou vou!






PS: Amanhã quando chegar, vou dar um beijinho à tua mãe e dizer-lhe que me lembrei de ti* [não vou dizer que não há dia em que me lembre. A dor dela é adimensional!]
Ps2: Hoje quando chegar a casa, vou ter um conversinha com os meus ricos vizinhos!

5 comentários:

  1. Sabes, não sei se já te apercebes-te pelo meu blog, mas eu também perdi a minha mãe... O tempo não cura nada, atenua um pouco sim... E medo? Tenho muito... Passaram 10 anos e eu não me consigo lembrar da voz... De tudo o resto? Tudo o resto ainda trago guardado no baú das memórias... Esquecer não se esquece :)

    ResponderEliminar
  2. Não consigo imaginar o que é perder a Mãe. A dor não é comparável. E lamento se te magoa quando lês o que escrevo... mas sinto-me bem a falar dele.

    Não quero mesmo nada esquecer-me! O tempo não pára e se daqui a 10 anos ninguém falar nele? Não tem filhos que o recordem...

    Gostei de ti ;)

    ResponderEliminar
  3. Não me magoa, faz-me recordar e isso é bom. Se não te magoa a ti e te faz bem, acho que deves continuar a fazê-lo :)
    Não é fácil, dói muito, mas nenhuma dor é comparável com outra, cada um sente as suas e á sua maneira....

    Não vais esquecer... Como te disse, o tempo atenua, mas nada passa... Podes esquecer-te de um pormenor ou outro, mas tudo o resto ficará sempre.

    Obrigada :) Também gostei de ti :)

    ResponderEliminar
  4. Obrigada =') é só o que tenho a dizer!

    ResponderEliminar
  5. Nada a agradecer, ainda por cima é mútuo :P

    ResponderEliminar

Todos temos os nossos dias, as nossas opiniões, as nossas afinidades. Felizmente nem todos gostamos do mesmo.

Aceitam-se elogios. Aceitam-se críticas construtivas.

Dispenso insultos e estupidez gratuita.

Welcome stranger ;)