quinta-feira, 19 de abril de 2012

Sabes o que sentes quando dás por ti a olhar para uma parede e a sorrir. Sabes que tens saudades quando olhas de 5 em 5 minutos para o telemóvel, na esperança de que tenhas uma sms dele. Não fazes a mínima ideia do que fazer com tanto amor quando a única certeza que ele te dá é que tem dúvidas sobre tudo. Dás por ti num blog a escrever sobre ele mas nunca para ele. A ansiar pelo fim-de-semana quando nem sabes se vais estar com ele ou não. Sabes que o adoras quando um simples sorriso dele faz com que a tua inabalável confiança seja posta em causa. Porque sabes que é ele que te dá alguma irracionalidade. Que te põe a sonhar até à exaustão. É ele que solta as amarras que te prendem ao chão. Sabes que não morres se isto não der em nada mas ainda assim queres tê-lo contigo. 
Sabes que ele é uma excepção porque faz-te agir como nunca antes agiste. Não precisa de ser perfeccionista. Nem tudo tem de ser perfeito. Faz-te acreditar em contos-de-fada, coisa em que nunca acreditaste. Sabes que possivelmente isto não vai dar em coisa alguma mas não abdicas. 
Não percebes como podes ter certeza de tanta coisa.Não percebes como trocaste o certo pelo incerto
Sabes que és mais nova, mais imatura, que sabes menos da vida (palavras sábias do meu João) mas ainda assim sabes que tens mais certezas do que ele.
Sabes que precisas de estabilidade e que ele não está disposto a dar-te o que precisas.




Então Rita, se sabes tantas coisas, porque raio não viras as costas e segues outra direcção?

11 comentários:

  1. Nem sempre seguir noutra direcção é fácil,mesmo que a nossa razão diga a direcção a tomar o nosso coração prega-nos partidas e escolhe o caminho mais difícil,mas também é aquele que desejamos tanto que seja o certo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era bem mais prático se apenas nos cingíssemos ao que que devemos e não ao que queremos.

      Eliminar
  2. Porque gostas babe, e gostas "à séria". Não é assim tão simples mudar de trilha quando se quer... Há amarras que te prendem a ele. *

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas devia ser simples. Tão simples como mudar de música quando não gosto da que está a dar no momento... gosto de coisas descomplicadas e esta história não tem nada disso para me oferecer!

      Eliminar
  3. ola :) gostei do teu blog! vou seguir :) beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Inês, muito bem-vinda :)

      Vou dar um "vista-de-olhos" ao teu também ;)

      Beijinho

      Eliminar
    2. "Vou dar um "vista-de-olhos" ao teu também ;)"

      E daí talvez não... a menos que deixes o link =P

      Eliminar
  4. Talvez o teu coração ainda não tenha a certeza que a cabeça já parece ter.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas deviam ser indissociáveis. Pensavam e agiam em conformidade... era muito mais simples e prático!

      E depois dou por mim a falar como a miúda de 13 anos que nunca fui! Cheia de melodrama e palavras romanceadas!

      Eliminar
  5. Ai, como podia ter sido eu a escrever isto! É que sem tirar nem pôr!

    "Sabes que possivelmente isto não vai dar em coisa alguma mas não abdicas. Não percebes como trocaste o certo pelo incerto. " :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mal destas histórias é que há sempre quem se identifique com elas! Oh tristeza =P

      Eliminar

Todos temos os nossos dias, as nossas opiniões, as nossas afinidades. Felizmente nem todos gostamos do mesmo.

Aceitam-se elogios. Aceitam-se críticas construtivas.

Dispenso insultos e estupidez gratuita.

Welcome stranger ;)