quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Disse(-me).



Disse palavras dignas de recordar . Palavras que quis ouvir vezes e vezes sem conta. Bonitas. Sábias. Meigas. A transbordar de amor. Desejo. Respeito. Doçura.
Disse uma única palavra amarga. Acutilante. Feia. Bolorenta. E todas as outras passaram para segundo plano, dando espaço à dor que nem mil navalhas conseguiriam equiparar.


O perdão é um acto de amor. Amor por ele, amor por mim.
Desvanece-se a raiva, dá-se lugar a quê?
Perdoar não é sinónimo de voltar atrás. Perdoar não é reacender um amor. Perdoar é apenas apaziguar e resolver.
Ponto final.


PS:  Não é que tenha havido qualquer tentativa de reaproximação. Mas eu sei que vai haver. Estou só a consciencializar-me disso.

7 comentários:

  1. Escreves mesmo bem ;) Parabéns pelo texto!

    ResponderEliminar
  2. Podes perdoar, mas não esqueces.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esquecer nunca esqueço. Mas perdoar, mesmo que ele nunca o tenha pedido, faz-me hesitar... não sei até que ponto é tão grave este afastamento!

      Eliminar
  3. é sempre possível perdoar, já esquecer... Ui... Pano para mangas...*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perdoar até é fácil, quando há vontade para isso... esquecer é que é a porra!

      Eliminar
  4. Historia da minha vida...
    Depois da raiva, vem a tristeza e depois da tristeza, vem a esperança. Perdoar é a ultima fase e a mais dificil...

    ResponderEliminar

Todos temos os nossos dias, as nossas opiniões, as nossas afinidades. Felizmente nem todos gostamos do mesmo.

Aceitam-se elogios. Aceitam-se críticas construtivas.

Dispenso insultos e estupidez gratuita.

Welcome stranger ;)