domingo, 23 de setembro de 2012

As palavras marcam como ferros em brasa.

Não sabes o que te passou pela cabeça mas dás por ti a pensar no quão arrependida estás. Sabes que isso só acontece quando realmente erras e não sabes como lidar com os sentimentos ambíguos que carregas contigo. Apetece-te gritar em surdina, para libertar a raiva que sentes de forma a que ninguém escute. Dás por ti a fazer uma força descomunal na berma da cama e a soluçar silenciosamente. Ninguém ouvirá a revolta que nasceu em ti. Da mesma forma que cresceu, depressa morrerá. Esquecerás mas não há dia em que não recordes aquelas palavras que abruptamente saíram da tua boca. Descontroladas, acutilantes, a ferir de morte. Saíram e não há volta a dar.
Desculpa-te antes que o abismo caia sobre nós. Não estejas à espera de uma desculpa do outro lado, afinal por muito errada que a outra pessoa tenha sido, foste tu que originaste o fogo.
As palavras marcam como ferros em brasa.


4 comentários:

  1. Não adianta dizer que te percebo perfeitamente pois não? :)*

    ResponderEliminar
  2. A força do que é dito e não se pode voltar atrás!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, por vezes temos o condão de magoar quem menos merece e não há retorno possível!

      Eliminar

Todos temos os nossos dias, as nossas opiniões, as nossas afinidades. Felizmente nem todos gostamos do mesmo.

Aceitam-se elogios. Aceitam-se críticas construtivas.

Dispenso insultos e estupidez gratuita.

Welcome stranger ;)