Avançar para o conteúdo principal

Meu puto#8

Passaram 37 meses. E acredita que há dias em que me apetece apagar tudo o que já escrevi e fingir que não aconteceu nada. Mascarar-me de sorrisos e rir, como sempre fiz. Ligar à tua irmã e não falar mais de ti, ligar-lhe apenas para irmos beber uns copos ou agarrarmos no carro e irmos correr as festas das freguesias.

Há 37 meses atrás, eu tinha 22 anos mas não sabia nada da vida. Ou sabia pouco, não consigo lembrar-me. Sei que há 37 meses atrás era tudo diferente. Os risos eram sinceros, o ambiente era leve, os grupos uniam-se. Agora ninguém fala de ti e nem do que era a vida quando tu estavas presente.
No fundo, muitos seguiram em frente. Não te esquecem (será que alguém algum dia te esquecerá?) mas conseguem abstrair-se da tua ausência.
 Confesso que há dias em que também consigo fazê-lo. Penso no sofrimento da tua família e sinto-me egoísta demais por pensar que eu estou a sofrer. Pronto, sou mesmo uma egoísta.

Lembro-me de um dia que quero esquecer. Fecho os olhos e sou levada para uma sexta-feira distante, numa mesa distante, numa esplanada distante. Lembro-me de tudo o que quero esquecer. Esqueço-me de tudo o que quero recordar.

Sabes que a primeira vez que me lembro de falar contigo, ainda antes de começarmos a ser amigos, tinhas 12 anos e fui encontrar-te a olhar o rio. Calado, sozinho. Perguntei pela tua irmã e tu não sabias. Parecias-me tão distante. Insisti. Perguntei se estava tudo bem. Fizeste-me o teu sorriso (ainda não era metálico) e disseste "Tem de estar tudo bem, não é?". Tinhas 12 anos mas deste-me uma resposta que me pareceu demasiado profunda para a tua idade.

Sabes que é quando estou sozinha aqui no quarto que me lembro mais destas coisas? Recordo parvoíces tão tuas. Vejo fotos e vídeos. E depois lembro-me que tenho de ir Lá visitar-te. Devo-te tantas (demasiadas) visitas mas não quero ir sozinha.
Um dia falo-te na Carla. Ela também está lá, onde quer que tu estejas.

Comentários

  1. estas tuas "cartas" ao L deixam-me sempre com1 nó na garganta!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São a minha forma de falar do que sinto, já que não posso falar dele com quase ninguém!

      Eliminar
  2. ... Felizmente nunca perdi ninguém assim tão próximo. Nunca perdi um amigo, daqueles à séria. Por isso não posso avaliar minimamente aquilo que sentes. Deve ser uma dor sem fundo. Mais que a nossa própria família, os amigos são a família que escolhemos, aqueles que não queremos perder nunca. Venham as mulheres, as namoradas, os casos, os flirts, venha quem vier, tudo pode ser passageiro, menos os amigos... aqueles com A grande, que ficam para a vida.
    O tempo cura tudo. Mesmo. É um lugar comum, mas é bem verdade. Ainda bem que nos resta a memória, valha-nos isso. Força*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu já perdi dois... o Luís e a Carla mas desta última nunca consegui falar grande coisa! Já foi há muito tempo, era uma miúda, mas está sempre muito presente!

      Quanto ao meu amigo, a morte dele foi de uma forma tão imprevisível e numa altura tão improvável que acho que nunca vai passar.

      Eliminar

Enviar um comentário

Todos temos os nossos dias, as nossas opiniões, as nossas afinidades. Felizmente nem todos gostamos do mesmo.

Aceitam-se elogios. Aceitam-se críticas construtivas.

Dispenso insultos e estupidez gratuita.

Welcome stranger ;)

Mensagens populares deste blogue

A tua irmã*

Ontem estive a escrever a fita de finalista da tua irmã. Com muito orgulho e satisfação. E tu estás presente, de uma forma discreta, que só ela entenderá. Mas estás lá. Sei que deves estar orgulhoso e que vais estar presente. Toma conta dela, protege-a, fá-la feliz. Se há alguém que merece, é ela. Perdeu-te a ti e logo de seguida o vosso Pai. Em menos de 6 meses, perdeu metade da família. Não é justo e ela merece mais. Tudo. Quero tanto vê-la feliz.



Parabéns Srª Engenheira!
*ORGULHO*


PS: Estou aqui para Ela. Estou mesmo, Luís. Por muito que me custe estar com ela nos lugares em que estivemos todos juntos, um dia (muitos dias). Por muito que ao olhar para ela, te veja a ti. Que magoe. Porque a saudade dói*

Dos rumores

Sábado. Vou jantar fora com o meu irmão, cunhada e mais uns casais amigos. O S., um dos meus amigos recentemente solteiro também foi. O jantar decorreu das 20:30h às 23h. Às 23:30h recebo uma mensagem do João a perguntar se ando metida com esse amigo nosso. Fico completamente à nora com a conversa. Recebo sms do meu ex-namorado a perguntar o mesmo. Pergunto ao S. se ele já tinha ouvido algum rumor. Diz que sim mas que por ele é tranquilo. E começa cheio de insinuações e conversas parvas. Só meu dou com atrasados e estou tão farta disto!
O João liga-me e chama-me de dançarina. Não compreendo a conversa e eis que me diz "ontem andaste a dançar com o teu novo namorado. Já fiquei para trás?".
ANORMAL!

Parabéns meu puto!

Mais um ano puto. 23 aninhos de uma vida que devia ter continuado. Cada vez mais me custa recordar a tua voz. Engraçado que sempre que fazes anos, o facebook enche-se de fotos e de conversas a recordar-te. E sabes o que me entristece? Saber que um dia vais voltar a fazer anos mas não há nenhuma história nova para contar.
Tenho tantas saudades tuas Luís! Do teu riso, do teu sorriso metálico, dos teus disparates. Onde quer que estejas, que a tua alma não se perca. Tu continuas a trazer o melhor de cada um de nós e isso é inesquecível e impagável.
PARABÉNS PUTO!!