terça-feira, 16 de outubro de 2012

Trago-te comigo.

Luís, voltei a sonhar contigo. Foi um sonho tão parvo que nem consigo bem explicar. Era noite e estávamos junto ao rio. Ao fundo viam-se apenas pontos luminosos, numa vila distante e habitada. Deitados na relva, contávamos as estrelas. Uma, duas, três. E tu disseste: "Agora vai aparecer uma estrela nova, mais brilhante e maior e que nunca vai sair do céu. Sempre que olhares, lá estará ela a olhar para ti.".
Eu olhei para o céu e a estrela apareceu. Linda, brilhante, em destaque. Sorrio e volto-me para ti mas tu já não estavas. E gritei, chamei-te, supliquei-te que ficasses. Mas não ficaste.
A estrela está lá, linda, brilhante e a sorrir. 
Estes sonhos tiram-me o sono. Estou cansada de te perder a toda a hora.


Trago-te comigo. 

1 comentário:

Todos temos os nossos dias, as nossas opiniões, as nossas afinidades. Felizmente nem todos gostamos do mesmo.

Aceitam-se elogios. Aceitam-se críticas construtivas.

Dispenso insultos e estupidez gratuita.

Welcome stranger ;)