terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Emigrar ou não emigrar?

A sensação de vermos a nossa vida a estagnar, sem andar para lado algum, é uma sensação que nunca me foi familiar e muito menos confortável. Fui sempre menina de agir, de querer, de fazer. Continuo a sê-lo. Tenho tantas metas a atingir e sei que hei-de consegui-las aos poucos. Não me permito sequer pensar de outra forma.

No Domingo estive a ver o "Prós e Contras" e, entre muito do que foi dito, memorizei a mísera percentagem de 17%. Parece tão pouco e, no entanto, simboliza o número de engenheiros que emigram de Portugal todos os anos. Ou seja, por ANO, em cada 100 pessoas que podiam dar muito ao país (vá, não vou sequer falar da metade desses que tiraram a licenciatura a "saca-rolhas" e estão-se bem f*dendo para arranjar trabalho), 17 procuram a sua oportunidade fora!
Sinceramente, esta realidade importa-me muito. Por um lado devido à minha área de formação, claro! Mas por outro, sabendo que o nosso país é tão rico em tantos aspectos, que é potencialmente (o que eles gostam desta palavra) um país que tem tudo para crescer. Então porra, façamo-lo crescer! 
Desculpem (se é que ainda há por aí alguém a ler as minhas divagações) mas sinto-me frustrada! Sei que tenho capacidades, conhecimentos, vontade e sei que, actualmente, este país não serve para mim! É triste ter passado 7 anos da minha vida a estudar, ter terminado a licenciatura e mestrado com boas médias, tê-lo feito no tempo certo e, ainda assim, não ser suficiente!
Não vou ser hipócrita! Preciso de dinheiro! Preciso da minha vida, preciso da minha autonomia, preciso de mim a fazer o que de melhor sei fazer, TRABALHAR!!

Enquanto isso vou dando explicações, que até dão uns "trocos" que por agora vão ajudando em algumas (poucas) despesas!
A ideia de sair de Portugal tem estado cada vez mais certa na minha cabeça!

12 comentários:

  1. Acho que será inevitavel, Rita... Pensa nisso sim. Além de poderes realizar-te profissionalmente, alargarás horizontes.

    ResponderEliminar
  2. eu penso como tu e estou na mesma situação, mas eu não quero emigrar, não quero deixar toda a minha vida para trás, não quero deixar toda a minha família, amigos e namorado para trás! simplesmente não consigo e não tenho forças para isso! Mas é triste não ver tanto esforço que tive não ser recompensado!

    ResponderEliminar
  3. Andei a fazer um curso de A1 de alemão e a grande maioria eram engenheiros. Pensavam ir para a Alemanha, ou então para qualquer lado onde não lhes faltassem ao respeito. Sim, porque aquilo que hoje se paga a um engenheiro neste país já ´roça a falta de respeito.
    Eu por aqui só estou à espera que o marido conclua o doutoramento e eu a licenciatura e faço as malas.
    Boa sorte.

    ResponderEliminar
  4. Andei a falar com a minha orientadora da tese de mestrado e ela falou-me da possibilidade (e por agora é só mesmo uma possibilidade remota) de ir fazer investigação para a Escócia! A ver vamos o que vem aí... é triste termos de sair da nossa pátria para termos o devido valor! Muito triste!

    Mais triste de ver que é a realidade da maioria das pessoas, com ou sem curso! Está mau para todos!! O que é certo é os "tachos", esses ditos, nunca acabam! Na minha terra é um fartote!

    ResponderEliminar
  5. Fui emigrante durante mais de 20 anos. Regressei a portugal há mais de 10, pensando que vinha para ficar. Hoje, à hora do almoço, decidi que vou partir novamente. Este país já não se suporta. Não é para velhos, nem para novos. É só para a pandilha que vive à volta do pote

    ResponderEliminar
  6. Rita, sempre me fez confusão as pessoas dizerem que é triste largar a pátria. Pátria? A mocidade portuguesa já se extinguiu. Estamos na era da globalização, o mundo é um T0. Eu já fui trabalhar 2 vezes fora do país e nunca me custou. A mim dá-me igual estar em Portugal ou no Paraguai. Custa-me pelas pessoas, pela saudade. Agora pela pátria? Nacionalismos não.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes uma coisa, Raven? Concordo na maioria das coisas que disseste, acho que ter novas experiências é enriquecedor para qualquer pessoa. O que é certo é que tu mesma dizes que já trabalhaste 2 vezes fora... sendo assim, porque razão regressaste?

      Quando falo em pátria, falo nas minhas raízes, falo numa cultura com a qual me identifico! E quando não, não o faço apenas porque sim mas por experiência própria! Sinto falta dos sítios, dos cheiros, das pessoas, dos hábitos!! Nesse sentido sou uma retrógrada! Coisas pontuais e temporárias, venham elas. Algo mais permanente, dispenso!

      Mas lá está, as opiniões são como o nariz! Todos temos um! =P

      Eliminar
  7. Nada como novos horizontes, realidades e objectivos. Crescer fora da nossa zona de conforto. Sou completamente a favor da imigração quando não podemos ter condições por cá. :)

    ResponderEliminar
  8. Eu sou da area de enfermagem, onde diariamente saem montes de colegas meus para o estrangeiro, recem licenciados e gente com muitos anos de profissão... mas eu não consigo deixar aqui tudo.
    No entanto, a saída constitui uma boa opurtunidade pra crescer quer pessoalmente quer profissionalmente.

    ResponderEliminar
  9. Emigrar não é fácil. De facto, a quatro anos que estou em Portugal a fazer o doutoramento e realmente a muitas coisas que se deixam atrás mas também a outras que bem para melhor. Sempre que se emigra se tem que fazer de mente aberta, tentando aprender de essa nova cultura para onde vamos! Sou Venezuelano e emigrei para Portugal! Cá há algumas dicas do que devemos saber antes de emigrar. Penso que são muito certas!
    http://queroemigrar-manager.blogspot.pt/p/antes-de-emigrar.html

    ResponderEliminar
  10. Ola, emigrei ha ja tres anos para o Canada e encontro-me presentemente a viver em Calgary onde tenho conhecido mais portugueses que chegaram recentemente. Cada qual tem o seu caso e situacao de como conseguiu chegar mas o nosso objectivo e acolher e ajudar quem pretenda emigrar para ca.
    Desejo-vos sorte perante a alternativa da saida, que nao e facil nem a chegada, mas com perseveranca acaba por um dia valer a pena. Caso possuam alguma questao terei todo o prazer em tentar prestar informacoes. Cumprimentos e boa sorte!
    mail: mario2lopes@gmail.com

    ResponderEliminar
  11. "Alargar horizontes, ter novas realidades". Bem concordo com isto. Eu no meu caso, que tenho enorme espirito de aventura, tive em tempos um emprego suficientemente bom para conseguir alargar esses horizontes sme ter de emigrar. Viajava, com a mochila as costas, em viagens lowcost fascinantes e que foram dos melhores momentos que vivi. Acho que quem deseja emigrar deve faze-lo, pois smepre assim foi. No entanto há quem não queira, há aqueles para quem a saudade dói. Devido ao crime que cometeram nas nossas vidas, sou forçada a escolher: ficar e ter a vida destruida ao nivel de carreira, ser explorada e humilhada; partir e abandonar todos os que amo e que neste momento precisam muito de mim por perto. Na realidade, eu sou aventureira, mas daquele tipo que regressa sempre ao calor do lar. Não por comodismo ou zona de conforto. Não falem de zona de conforto a alguem que se predispunha a fazer uma expedição ao arctico como eu, se pudesse. Posso estar numa rua colorida de Marrocos ou numa paisagem nevada da Finlandia, um voluntariado ecologico, etc..e aí sim, vivo a minha experiencia enriquecedora. E depois da experiencia, voltar ao sorriso, ao abraço, ao apoio, ao afecto de quem gosto e que precisa de mim. Mas trabalhar, viver, permanecer sempre numa cidade estrangeira, longe de quem amo, e quem sabe um dia receber noticias tristes pelo telefone, a solidão, a distancia, é dor, saudade e privação da vida, e no MEU caso, pode acabar comigo...Emigrar, bom ou mau? Depende das pessoas. Para uns uma boa oportunidade, para outros um exilio forçado. Não há uma verdade absoluta em relação á equação pessoa/emigração=bom ou mau? A emigração nos moldes actuais: Devastador para o país, positivo para outros países. Mas quem puder e quiser, vão, experimentem. Tomara eu conseguir decidir assim.

    ResponderEliminar

Todos temos os nossos dias, as nossas opiniões, as nossas afinidades. Felizmente nem todos gostamos do mesmo.

Aceitam-se elogios. Aceitam-se críticas construtivas.

Dispenso insultos e estupidez gratuita.

Welcome stranger ;)