sexta-feira, 15 de julho de 2016

Era assim que eu te via.

Era assim que eu te via. Quando te reformaste e começaste a ter tempo de qualidade para a família e amigos, a beber o teu copinho, a ir jogar às cartas, a tratar dos pombos, dos cães, da horta. Era assim que eu te imaginava agora, com 80 anos, a usufruir dos frutos de uma vida de trabalho ingrato. A rir, a ver tv, a chorar a rir com o Mr Bean, a conduzir, a ir às compras, a cuidar da Avó. Era assim que eu te imaginava, velhinho mas com o mínimo de saúde, com a tua identidade sempre tão bem definida. Imaginava-te a ir com a Avó aos passeios da Associação de Séniores, a ir aos bailes, à praia. Nunca imaginei que a vida fosse tão ingrata para vocês, que me deram tudo. Que me tornaram quem sou. Que me ajudaram sempre e amaram tal como sou!

Era assim que eu te via, a seres tu como mais ninguém sabe ser.

1 comentário:

Todos temos os nossos dias, as nossas opiniões, as nossas afinidades. Felizmente nem todos gostamos do mesmo.

Aceitam-se elogios. Aceitam-se críticas construtivas.

Dispenso insultos e estupidez gratuita.

Welcome stranger ;)